Biblioteca do Comum

Internet em código feminino: Teorias e práticas

Dublin Core

Título

Internet em código feminino: Teorias e práticas

Assunto

Cultura Livre

Descrição

Ao colocar a ênfase na Argentina, o Brasil e a Espanha como representantes da área ibero-americana, abre-se espaço as questões da brecha de gênero e às derivadas do uso de uma língua não hegemônica. Efetivamente, nós mulheres não estamos apenas sub-representadas em projetos de conhecimento coletivo, a exemplo da Wikipédia. O espanhol e o português, como línguas da região, também se encontram marginalizadas, e suas produções – mesmo que de grande valor - são menos acessíveis.

Autor

Graciela Natansohn (organizadora)
Diana Maffia
Graciela Natansohn
Ana de Miguel
Montserrat Boix
Alex Haché
Eva Cruells
Nuria Vergés Bosch
Grupo “Género y Tecnología” del Medialab-Prado, Madrid
Lila Pagola
Dafne Sabanes Plou
Graciela Baroni Selaimen
Monica de Sá Dantas Paz
Karla Schuch Brunet
João Eduardo Silva de Araújo
Rodrigo S. Bulhões
Laryne Santana
Pedro Dell’Orto

Fonte

Buenos Aires

Editor

La Crujía

Data

2013

Colaborador

[no text]

Direitos

CC BY-SA

Relação

[no text]

Formato

PDF

Idioma

Português

Tipo

Livro

Identificador

[no text]

Abrangência

[no text]

Arquivos

NATANSOHN, G. (org.) (2013) Internet em código feminino-Teorias e práticas.pdf

Referência

Graciela Natansohn (organizadora) Diana Maffia Graciela Natansohn Ana de Miguel Montserrat Boix Alex Haché Eva Cruells Nuria Vergés Bosch Grupo “Género y Tecnología” del Medialab-Prado, Madrid Lila Pagola Dafne Sabanes Plou Graciela Baroni Selaimen Monica de Sá Dantas Paz Karla Schuch Brunet João Eduardo Silva de Araújo Rodrigo S. Bulhões Laryne Santana Pedro Dell’Orto, “Internet em código feminino: Teorias e práticas,” Biblioteca do Comum, acesso em 21 de setembro de 2017, http://www.bibliotecadocomum.org/items/show/8.